AlascaAmérica do NorteEstados UnidosPelo MundoPor Aí

Safari no Denali Park: em busca dos “Big 5” do Alasca

Viajadora: Denali National Park no Alasca

Quem pensa que safari com os Big 5 (os cinco animais mais famosos) é coisa só da África, está muito enganado: o Alasca também tem suas estrelas e até um esquema de safari parecido para quem deseja estar em contato bastante próximo com a fauna selvagem local.

Os Big 5 do Alasca são bem diferentes dos da África, mas tão emocionantes de se ver quanto: urso pardo, alce, caribu, lobo e dall sheep (um tipo de carneiro selvagem).  O melhor lugar para observá-los é o Denali National Park and Preserve, uma das principais atrações turísticas do estado, com área total superior a 6 milhões de acres. É lá que fica o Denali (também conhecido como Monte McKinley), a montanha mais alta da América do Norte, com 6.193m de altura. O nome Denali foi dado pelos índios atabascos e significa “The High One”, “O Alto”, que faz total sentido diante da dimensão incrível da montanha.

Viajadora: Bandeira dos EUA com Mount McKinley ao fundo em Denali Park
Denali, ou Mount McKinley, como era conhecido antigamente, montanha mais alta da América do Norte. Num dia de poucas nuvens, você pode dar a sorte de ter essa vista. (Foto: nps.gov)

O parque recebe anualmente 400 mil visitantes. Além da opção de escalada do Denali, a principal atração são  os safaris fotográficos em ônibus, com guias que vão contando a história do parque, procurando os animais na vegetação e pacientemente parando quando aparece algum, para que os visitantes possam ver bem e tirar muitas fotos, assim como nos safaris africanos. É com certeza uma atração imperdível para quem gosta de saber o máximo possível sobre os lugares que visita, não só pela oportunidade de ver tudo de perto, mas também de aprender com o conhecimento dos guias, geralmente aposentados voluntários que demonstram grande alegria por estar ali.

Viajadora: Denali Park no Alasca
Paisagens de natureza intocada, desertas e silenciosas

Como o esquema do ônibus funciona

O Denali National Park tem uma única estrada, com 149km de extensão, sendo apenas 25 deles pavimentados. Esses 25km, aliás, são os únicos que podem ser percorridos em veículos particulares. Por isso, o melhor é estacionar o carro na entrada do parque, ir até a central de visitantes e escolher um dos trajetos de ônibus para passar o dia. As opções são as seguintes:

Viajadora:  Tabela de Ônibus no Denali Park, Alasca
Tabela com os itinerários dos ônibus, do site Denali 101

Quanto maior for a extensão da viagem (até Kantishna), mais perto se chega do Denali, mas mais paciência você vai precisar para sentar no ônibus o dia inteiro. A não ser que você saia do veículo para fazer trilhas, já que uma das principais vantagens é o fato de eles funcionarem no esquema “hop-on, hop-off”, ou seja, você pode descer em qualquer trecho que quiser para caminhar e entrar novamente num ônibus quando quiser voltar.

Viajadora: ônibus em uma estrada deserta
O ônibus em uma das partes do trajeto

Minha experiência procurando os Big 5

Como não teríamos tempo para fazer trilhas nem saco para ficar sentados por muito tempo, optamos pelo trajeto até o Eielson Visitor Center, que duraria 8h e percorreria cerca de 110km. Foi mesmo o ideal: vimos quatro dos Big 5 (os lobos são muito difíceis, porque só saem à noite) e ainda raposas, pássaros, gerbilos e vários outros bichos.

Pegamos um clima ótimo, seco e “quente” (14°C), enquanto Ian, o guia, falava sobre a história do Denali e sua vegetação: contou que a água dos rios de lá tem minerais provenientes do derretimento das geleiras e por isso não é potável, e que os ursos do parque eram menores que os de outras regiões do estado, por serem majoritariamente vegetarianos, se alimentando principalmente de frutas e plantas (por uma mistura de preguiça, gosto pessoal e escassez de caça, pelo que entendi). Quando aparecia um bicho, ele ficava mais animado que os turistas, mesmo que já fosse o 58° alce avistado no trajeto.

Tivemos sorte com a observação de bichos, já que, a partir da metade do caminho, vimos vários ursos pardos (os “grizzlies”), inclusive com filhotes. Um deles chegou a atravessar a trilha na frente do nosso ônibus, mexendo a bundona bem devagar e todo majestoso. O pessoal ficou louco fotografando, mas eu fiquei tão entretida olhando, que esqueci de tirar fotos, então vocês vão ter de acreditar em mim (mas prometo que isso vai mudar nas próximas viagens).

Viajadora: Urso no denali national park Alasca
Um dos ursos pardos que vimos no Denali National Park

Apesar de os animais serem a principal atração, o trajeto inteiro é lindo para quem curte natureza. São muitas florestas, montanhas, lagos, rios e planícies belíssimas, uma paisagem, claro, muito diferente do que estamos acostumados a ver no Brasil. E nas paradas que o ônibus faz,  em Toklat e principalmente no Eielson Visitor Center, as exposições permanentes mostram a história do Parque e da montanha Denali, detalhes geológicos, expedições famosas de montanhistas e os hábitos dos animais selvagens. É de lá, também, que se tem a vista mais linda do Denali em todo o passeio, algo que depende principalmente da sorte, já que a montanha frequentemente está envolta em nuvens e dificilmente pode ser vista inteira.

* Vi esse vídeo num site qualquer e se passa em algum lugar dos EUA. Botei aqui só pra mostrar como os grizzlies são lindos e lamentar o fato de que nenhum deles acenou pra mim lá.

Acampando no parque

O Denali tem ao todo seis áreas de camping ao longo da estrada que corta o parque: Riley Creek, logo próximo à entrada; Savage River; na milha 15, no final da parte pavimentada da estrada; Sanctuary River, na milha 22; Teklanika River, na milha 29; Igloo Creek, a menor área, na milha 35; e Wonder Lake, a mais distante de todas, na milha 85. Algumas são mais perto do início de trilhas importantes e todas têm tamanhos e preços diferentes entre si. É preciso ver na administração do parque a disponibilidade e reservar uma vaga no lugar desejado.

Um dos avisos sobre o contato com os animais... tem em todos os lugares do camping
Um dos avisos sobre o contato com os animais… tem em todos os lugares do camping

Escolhemos acampar em Sanctuary River por ser relativamente mais perto da entrada do parque e ter uma ótima estrutura, com um bom banheiro e muitas mesas. Essa área fica a uma distância de caminhada da estrada, bem isolada, e tem vista para o Denali. Só tinha a gente lá, e devo dizer que fiquei um pouco assustada com o fato de dormirmos sozinhos no meio do nada, ainda mais depois de ter visto tantos filmes de terror com essa temática, mas o fato de não escurecer ajuda a diminuir o medo. Escolhemos uma área perto do rio, e tinha tanto mosquito em toda a região que fiquei com medo de me carregarem o item mais útil foi mesmo o repelente. Apesar de tudo, dos insetos, do meu medo dos ursos e de maníacos homicidas, foi uma noite tranquila e agradável, ouvindo o barulho do rio e dos pássaros da região.

Viajadora: Thaís no Savage River no Denali Park
Em frente ao Savage River, rio que passava bem do lado da área de camping Sanctuary

No dia seguinte, a ideia era pegar o ônibus que passaria às 9h pela estrada para ir embora.  Mas quando ele chegou, o motorista não nos deixou embarcar: só tinha um lugar sobrando e não poderíamos ir nem em pé, nem sentados no chão. Quase não acreditei quando ele falou isso, porque o próximo só passaria ao meio-dia e toda a comida e a água já tinham acabado. Nem o charme da mulher brasileira nem minhas súplicas desesperadas adiantaram para convencer o motorista, então, sem mais o que fazer, ficamos lá sentados nas margens da estrada por três horas, num frio desgraçado, torcendo para ter vaga no ônibus das 12h (e teve, ainda bem).

Viajadora: Thaís junto a placa do Denali National Park no Alasca
Tirar foto com a placa ajuda a passar o tempo durante a espera de três horas com frio e fome
Denali National Park: o ônibus na estrada principal do parque
Denali National Park: o ônibus na estrada principal do parque (foto: nps.gov)

Dicas para quem quer visitar o Denali National Park and Preserve:

  • Leve binóculos, muito úteis para observar melhor os animais durante o trajeto de ônibus.
  • Se vai acampar, fazer trilhas ou mesmo só fazer o passeio de ônibus, leve comida e água suficientes, porque não há onde comprar nada dentro do parque, só no centro de visitantes principal.
  • Leve repelente, ou você vai desejar nunca ter ido lá.
  • Escolha o lugar para acampar de acordo com o fato de que você vai fazer trilha ou não, e de qual trilha deseja fazer.
  • Siga todas as orientações disponíveis no camping para evitar o contato com a vida selvagem. Isso inclui não escovar os dentes perto da barraca e guardar todos os itens com cheiro (como comida e cosméticos) nos abrigos anti-urso. Você não vai querer um grizzlie farejando em volta da sua barraca, né? Confira também mais dicas para acampar no Alasca e voltar vivo para contar a história.
  • Se vai fazer trilhas, tenha um spray anti-urso, conheça os procedimentos para espantá-los e, principalmente, respeite as orientações do parque. O assunto é sério: em 2012 um cara estava caminhando sozinho por lá e parou perigosamente perto para tirar fotos de um urso que encontrou no caminho. O urso então o atacou, matou e ficou rodeando o corpo com outros colegas grizzlies durante dois dias. A história toda pode ser vista neste link . Recomendo também ler o Manual de sobrevivência para Trilhas no Alasca , para evitar contratempos como esse.
  • Um dia é o bastante para conhecer o parque de ônibus, e três  são suficientes para quem quer fazer trilhas curtas básicas. Mas isso depende muito do tipo de trilha que se quer fazer também, claro, já que algumas duram mais de uma semana.
  • Algo de que me arrependo muito por não ter feito devido ao tempo curto foi não ter passado uma noite na cidadezinha em torno da entrada do parque. É só um amontoado de bares, cafés, restaurantes e hotéis na beira da estrada, mas tem uns lugares fofos e muito aconchegantes, como o Black Bear Coffee House, uma cafeteria onde paramos para lanchar na volta. A cidade fica lotada de estudantes que vão trabalhar em torno do parque durante o verão, e por isso rolam vários shows e festas à noite, deve ser muito legal.
  • Para quem assistiu/leu “Na Natureza Selvagem” (“Into the Wild”, o livro do Jon Krakauer que virou filme com a trilha sonora excelente do Eddie Veder) e gostaria de conhecer a Stampede Trail e o ônibus onde Christopher McCandless morreu, é da pequena Denali city que saem excursões de jeep até lá em passeios de um dia. Já para quem quiser fazer o jeito mais roots, a trilha dura pelo menos uma semana, mas não pode ser feita no verão por causa do derretimento das geleiras e consequente aumento do volume de rios que precisam ser atravessados a pé (muita gente morre lá, estavam até querendo fechar a trilha).
Viajadora: Denali entre nuvens
O Denali lindão lá no fundo, entre nuvens
Em um dos mirantes nas paradas do ônibus
Em um dos mirantes nas paradas do ônibus

Quando ir

A melhor época para visitar o parque vai de 15 de junho a 30 de agosto, auge do verão, quando toda a estrada fica trafegável e os os bichos estão com a corda toda para perambular. Eu fui no final de junho e foi ótimo.

A estrada do parque fecha durante o inverno, logo após a primeira semana de setembro, e reabre em maio. É quando o serviço de ônibus recomeça a funcionar após a limpeza da neve, mas apenas até a metade da estrada. Na primeira semana de junho a estrada inteira já pode ser percorrida.

Viajadora: Nosso ônibus de viagem
O ônibus: bem um daqueles ônibus escolares de filme mesmo, mas movido a combustível ecológico

Onde:

Denali National Park

Milepost 240 George Parks Hwy,

Denali National Park, Alaska 99743

– O parque fica a 265 milhas (5 horas de carro) de distância da cidade de Anchorage, a 120 milhas de distância (2h/carro) de Fairbanks e 150 milhas de distância (2,5h/carro) de Talkeetna, uma das principais cidades para escaladores no Alasca.

– O principal site de informações sobre o parque é o Denali 101 , onde você acha tudo que precisa para planejar a viagem.


-> Confira hotéis e guest houses na região do Denali clicando aqui. 


Denali National Park
Denali National Park: um dos lugares mais lindos que já visitei (foto:mapquest.com)

* A foto de destaque do post é do site frozy.net


Se quiser ler mais sobre o Alasca, também tem esses posts:

16 dicas para acampar no Alasca

Manual de sobrevivência para trilhas no Alasca

Remando nas cavernas de gelo de Valdez, Alasca

De molho nas águas termais de Chena Hotsprings

A loja mais legal de Anchorage: REI

A melhor pizza do mundo fica muito longe daqui


Comentários

Tags:

5 comentários

  1. […] que fui pro Alasca super curiosa  e continuei animada mesmo depois das 9 horas de carro desde o Denali National Park, onde estávamos antes. E cada minuto valeu a pena: fundado há mais de cem anos, famoso mundo […]

  2. […] Safari no Denali Park: em busca dos “Big 5″ do Alasca […]

  3. […] Safari no Denali Park: em busca dos “Big 5″ do Alasca […]

  4. […] Safari no Denali Park: em busca dos “Big 5″ do Alasca […]

  5. […] Safari no Denali Park: em busca dos “Big 5″ do Alasca […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *