Estados UnidosHavaíPelo Mundo

Big Island, Havaí: Cutucando a lava do vulcão Kilauea

Big Island: Explorando o vulcão Kilauea no Havaí Viajadora

Maior e mais nova ilha do Havaí, a Big Island tem vários atrativos interessantes, como praias de areia vulcânica, florestas e cachoeiras. Tudo isso é muito lindo e vale a visita, mas, sem dúvida nenhuma, nada atrai tanto os 2 milhões de visitantes anuais como a possibilidade de ficar cara a cara com o vulcão Kilauea em erupção. Não é qualquer lugar do mundo que oferece a chance de chegar bem perto – muito perto mesmo, a ponto de poder cutucar com uma varinha – a lava que escorre para o mar. Foi por isso que eu quis ir lá olhar, sentir, cutucar e viver uma experiência única que deveria entrar para a lista de viagens imperdíveis de todo viajante aventureiro.

O geoturismo para observação dos vulcões do Hawaii Volcanoes National Park é o principal chamariz da Big Island. Além da visita normal ao parque propriamente dito, existem outras três possibilidades de ver o vulcão Kilauea em erupção. A primeira (e mais cara) é sobrevoar o vulcão de helicóptero; a segunda, ir de barco até o ponto em que a lava atinge o mar, viagem bem revolta de cerca de duas horas, sujeita às condições climáticas (dependendo do vento e da quantidade de lava, só se vê fumaça); e a terceira, ir a pé até o ponto em que a lava chega ao mar e observar in loco. Foi justamente essa de ir a pé que nós escolhemos, porque todo mundo dizia que era a mais radical e a mais barata também.

A escolha da agência e o início (esquisito) do passeio

O pessoal do hostel recomendou a agência Big Island Lava Tour, então fizemos a reserva por telefone e, já na tarde do dia seguinte, seguimos de carro para o passeio. A ideia é começar quando estiver anoitecendo, quando a lava fica mais visível, por isso chegamos na região de Kalapana Gardens por volta das 17h. Fomos entrando de carro no campo de lava até chegar em um ponto onde todos os outros turistas já tinham sumido e onde quer se olhasse só havia lava endurecida e silêncio absoluto. Achando tudo aquilo muito estranho, continuamos seguindo até chegar a uma casinha isolada no meio do campo. Sem saber o que fazer, paramos na entrada da garagem, desci do carro e bati palma para ver se alguém atendia. Foi quando um pitbull veio correndo e latindo na minha direção e, por reflexo, me fechei no carro de novo.

Quando estávamos prestes a ir embora, ouvimos um “Naya, volta aqui!”, a porta abriu e saiu de lá de dentro um hippie alto com uma cara engraçada de quem não fazia a menor ideia do que estava acontecendo. Abri a janela e falei “Jeffrey?”, pro que ele respondeu “Sou eu! E vocês?”. Respondi que tínhamos marcado a trilha para o vulcão e ele, num rompante de memória, disse “Ah, é! Vamos!”. O grupo da trilha seria só nós três, e depois de uma breve discussão sobre os riscos de ele ser ou não um assassino, decidimos ir assim mesmo. Ele nos apresentou a cachorra, nos deu algumas garrafas com água para levar e lá fomos nós em direção ao grande nada do campo de lava.

thais e lis trilha vulcao kilauea  big island havaí
Chegando a Kalapana Gardens e a grande paisagem vazia… ao fundo, ao longe, a fumaça do vulcão

Caminhando e encontrando a lava do vulcão Kilauea

O trajeto a pé até o ponto de onde se avista a lava chegar ao mar leva cerca de uma hora e meia, em um descampado onde tudo que se vê é o céu e o cinza da lava endurecida, sem qualquer sinal de vegetação ou pessoas em volta. O Kilauea está em erupção constante desde 1983, por isso, a cada semana em que se anda ali, a superfície está diferente de antes. O chão é todo de rochas de diferentes tamanhos, geralmente arredondadas e no formato da lava que escorreu e endureceu em contato com o ar, mas também há trechos em que elas estão pontudas e rachadas, por isso é preciso tomar cuidado com onde se pisa.

big island lava vulcão kilauea havaí viajadora
A rocha endurecida se quebra em alguns pontos…
big island lava vulcão kilauea havaí viajadora
…mas em quase todo o caminho, dá pra ver direitinho como a lava escorreu e secou

Na caminhada, é impressionante ver como a lava foi se espalhando pelo terreno e tomando tudo que encontrou pela frente. Quanto mais perto se chega dos pontos de erupção, mais o chão vai ficando quente, até que é possível ver a lava escorrendo por baixo dos vãos entre um grupo de rochas e outro. O calor é intenso e, em alguns pontos, ainda é possível sentir a textura não muito firme da lava que dias antes escorria e agora faz parte da trilha por onde se anda.

fenda vulcânica no vulcão kilauea big island havaí viajadora
Entre os vãos, dá para ver a lava escorrendo por baixo da superfície onde estamos andando… e é preciso prestar atenção onde se pisa: quase enfiei minha patinha em um desses buracos
vulcao kilauea encontro com o mar viajadora big island Havaí
Chegando no ponto em que a lava encontra o mar
olhando a erupção vulcão kilauea havai
Um minutinho pra descansar e assistir

É muito interessante assistir o momento em que a lava pinga no mar e faz aquela fumaçada toda, e mais bonito ainda é ver o contraste do azul do mar com o tom laranja avermelhado da lava fumegante. Mas o que queríamos mesmo era chegar bem perto, por isso fomos seguindo Jeff em direção à lava que brilhava a alguns metros de nós, até acharmos um ponto em que ela estava escorrendo e dava para nos aproximar.

vulcão kilauea big island Havaí
Uma fumaçada danada… mas é bem bonito de assistir!
encontro com o mar vulcão kilauea big island Havaí
O momento exato em que a lava chega ao mar
lava erupção vulcão kilauea havai
Deve ser bem quentinho nadar ali em volta
lava saindo vulcão kilauea havai viajadora big island
Depois de andar um pouco mais, achamos onde estava saindo a lava antes de chegar ao mar… repare que, logo que ela entra em contato com o ar, já começa a escurecer e endurecer

A sensação de ficar cara a cara com a lava desse jeito é demais! O calor é muito forte e ela vai escorrendo bem devagarinho, com uma cor tão intensa que olhar o movimento chega a ser hipnótico. Eu poderia ter ficado lá por um tempão só olhando. Dava vontade de encostar na lava, de pular nela, de comer um pouquinho, cutucar com coisinhas e de jogar alguns turistas mal educados que ficavam empurrando todo mundo para tirar fotos. É claro que eu não perdi a oportunidade de enfiar a minha varinha na lava e de tentar tirar tantas fotos quanto fosse possível, embora o calor faça tudo sair embaçado. Queria registrar aquele momento para sempre, mas algumas coisas ficam mesmo melhores na memória do que em fotos e relatos.

vulcao kilauea em erupção havai big island
Essa cachoeira é um pouco diferente das que a gente costuma postar aqui
vulcão kilauea thais viajadora havai
Anda, lava, faz alguma coisa!
thaís e lis vulcao kilauea lava havaí
“Olha, a lava, vamos tirar uma foto bonita!” “Corre, a lava tá vindo!” “Ah não, tá tranquilo, cara, vai demorar mais um pouquinho!” haha

Na hora de voltar, o campo de lava era um breu absoluto, e a luz da lanterna iluminava menos de um metro à frente. Mesmo o Jeff morando lá há anos e conhecendo o caminho, chegamos a nos perder algumas vezes e levamos uns 30 minutos a mais para voltar. No caminho, encontramos algumas pessoas indo por conta própria procurar a lava, sem guia, no escuro, sem conhecer o lugar… tem gente que é muito corajosa mesmo. Ou completamente sem noção: é normal as pessoas se perderem por lá e ficarem horas rodando a esmo até serem resgatadas, conforme lemos em alguns lugares.

Conversando com Jeffrey

Os guias são uma parte fundamental em qualquer viagem, já que eles tanto podem enriquecer quanto estragar um passeio. Apesar da estranheza do primeiro encontro, o Jeffrey foi uma ótima escolha. Ele nos contou várias coisas sobre a geografia e as lendas do Havaí sobre o vulcão, e também passou boa parte do caminho nos contando que seguia a religião do Santo Daime e seu sonho era vir para a Amazônia participar de um grande encontro anual de seguidores. E cantando, em um português engraçado, as músicas que eles cantam nos encontros do Daime, inclusive do Zeca Baleiro. Quais eram as chances de encontrar, perdido num campo de lava no Havaí, um guia que teria o maior prazer em cantar “eu vi mamãe Oxum na cachoeira” durante a trilha?!

Quando voltamos, ele nos convidou para tomar uma água na casa dele e ver umas coisas do Daime que ele tinha. A casa era só um cômodo com um colchão, uma cozinha improvisada e um computador, e as paredes do banheiro eram cangas penduradas. Perguntei se ele não tinha receio de morar ali sozinho no meio de um deserto onde as outras casas da vizinhança já tinham sido engolidas pela lava. E ele me disse que não. Que tudo de que precisava era a Naya e um teto, o resto, dava um jeito, e as outras poucas coisas que tinha poderia deixar para trás quando a lava finalmente chegasse até a casa dele. “Porque a lava é uma daquelas foças da natureza que nada consegue deter, como muitas coisas que acontecem na vida e a gente perde tanto tempo tentando barrar e mudar, quando o único jeito possível é simplesmente aceitar e deixar acontecer”, ele disse. Nós concordamos.

thais jeffrey lis vulcão kilauea big island lava tour
Com o Jeffrey… ele é tão legal que, se morássemos perto, teria mesmo virado nosso amigo 🙂

E para encerrar esse post, um vídeo em time lapse deslumbrante sobre os vulcões do Havaí, feito pelo fotórgrafo QT Luong e de uma beleza sem tamanho, olha só:

Hawaii Volcanoes from QT Luong on Vimeo.

A agência que nos levou

Big Island Lava Tour 

+1 (808) 747-4804

Em Kalapana, na Big Island, Havaí

– O valor do passeio é U$ 105 por pessoa, incluindo as taxas.

O que você precisa saber para ir na Big Island

  • Vá calçado com um tênis de solado grosso e meias. O chão fica muito quente e eu, que fui com um tênis de passeio com a sola bem fina, senti o meu pé assando e em alguns momentos tive até a impressão de que as solas do tênis estavam derretendo um pouco.
  • Leve uma lanterna potente e com boas pilhas, na volta fica realmente um breu e não dá para ver nada. Leve água e comida também, não há nenhum lugar perto onde seja possível comprar.
  • O Jeff (e os guias em geral) catam uma varinha e te dão para carregar e cutucar a lava quando a encontrarem, então não se preocupe com isso.
  • A quantidade e o estado da lava que você vai ver dependem da sua sorte e das condições do vulcão do dia, então nada é garantido, mas no geral, todo mundo consegue ver e chegar perto de pelo menos um jorrinho.
  • De forma alguma se aventure a ir sozinho, os U$105 do guia valem cada centavo. O campo de lava é bem sinistro e é muito fácil se perder lá.

Onde ficar em Big Island

A questão da acomodação no Havaí é bem importante para quem deseja viajar gastando o mínimo possível, mas sem sofrer. Isso porque os hostels, no geral, são bem ruins e os hotéis costumam ser mais caros do que em outros lugares turísticos. Uma exceção para os albergues ruins é o Hilo Backpackers Hostel, onde nos hospedamos. Trata-se de um hostel bem antigo, com quartos amplos e arejados e muitos banheiros, bastante confortável. A localização é boa, no meio da cidade de Hilo, a cerca de 40 minutos de Kalapana Gardens, perto de praias e de restaurantes legais. Gostei bastante e recomendo.

Para quem preferir ficar em hotéis, uma boa opção é dar uma olhada no Trivago , site que compara os valores das diárias em diferentes sites de busca. A gente costuma utilizar quando viaja e acha bem útil para encontrar os melhores preços, principalmente em um lugar caro como o Havaí.

*Artigo com publicidade.


-> Vai viajar e também vai precisar alugar um carro? Pesquise aqui o melhor preço.


 

Comentários

Tags:

12 comentários

  1. Avatar

    Muito legal… Infelizmente quando estive na Big Island em Dezembro do ano passado a lava não estava escorrendo para o mar…. Apenas numa área remota do parque com floresta que levou o NPS a fechar a trilha por risco de incêndio/explosão… Vimos a lava do helicóptero e foi impressionante tb… Só uma coisinha logo no primeiro parágrafo vc diz que a Big island e a maior e mais antiga ilha do Hawaii.. Bem na verdade ela é a mais nova… A mais antiga é Kauai o que explica a vegetação exuberante que encontramos lá comparado com a paisagem quase árida dos vulcões na Big Island

    😉

    1. Avatar

      Oi, Oscar! Que distração a minha, pensei uma coisa e escrevi outra! hehe Já acertei lá, obrigada pelo toque. E que pena que não deu pra você ver a lava de perto quando você foi, mas tenho certeza de que ver tudo de helicóptero deve ser incrível também! 😀

  2. Avatar

    Olá Thaís, tudo bem?
    Eu estou indo para um o Havaí e seu texto me fez sentir motivado a fazer esse tour! Estou indo na semana que vem, então seria meio em cima da hora…
    Vc poderia me ajudar a responder a algumas perguntas?
    – O passeio é sempre seguro, independente da agitação do vulcão? Ouvi falar que ele está agitado por esses dias…
    – Há algum modo de ir para o Hawaii Volcanoes National Park partindo do aeroporto de Hilo com um shuttle? Eu sei que alguns tours pegam na frente de hoteis, mas será que precisaria estar hospedado lá para aproveitar o transporte? Esses hoteis são bem próximos ao aeroporto.
    – A agência que vc indicou não responde essas minhas dúvidas e nem uma outra que encontrei pelo TripAdvisor haha… Eu realmente gostaria de ver lava e não sei se é qualquer agência que possibilita isso. Vc teve essa dificuldade de comunicação quando os procurou?
    Já agradeço antes de me responder!
    Beijos!

    1. Avatar

      Oi, Gustavo!

      Que máximo, você vai amar o Havaí e esse passeio é incrível! Em relação a ser sempre seguro, existe alguma coisa na vida que seja? hehe Mas pelo que li, e como se trata de EUA, eles são bem certinhos em relação à segurança e, caso o vulcão esteja muito agitado, os passeios não acontecem ou vão para áreas diferentes/limitadas. Vai depender de como estiver quando você chegar lá.

      Sobre o shuttle do aeroporto para o Hawaii Volcanoes National Park, não sei se existe porque alugamos carro desde a saída do aeroporto e rodamos tudo com ele por lá. Aliás, isso é o que te recomendo a fazer, porque você terá mais liberdade e o transporte público por lá é bem ruinzinho.

      Já sobre a agência, eu fui sem pesquisar nada e na hora o cara do albergue indicou essa agência. Tive que ligar algumas (várias) vezes para conseguir contato. Como comentei no post, o Jeff, da agência, é um hippie muito figura que mora no meio do nada, então vamos dizer que ele não é dos melhores com tecnologia e comunicação, mas vale a pena continuar tentando falar com ele porque ele é muito legal, um dos melhores guias que já conheci em viagens. Sobre as outras agências que não respondem, imagino que seja a mesma coisa… o povo do Havaí é muito tranquilão, então tudo vai bem no ritmo deles mesmo, tem que continuar tentando. 😉

      Beijo e boa viagem, aproveita muito porque o Havaí é maravilhoso!!

      1. Avatar

        Obrigado, Thaís, pela pronta resposta!

        Já fiquei mais tranquilo sobre a segurança da viagem haha… Realmente, eles devem ser muito experientes nisso e não fariam nada que fosse perigoso. E é verdade, o tour é mais que apenas o vulcão, né…

        Falei do transporte pela agência porque já faz parte do pacote da visita guiada. É através de uma van e ela pega o pessoal nos hoteis. Dessa forma, o passeio seria mais econômico hehe… Eu iria para o aeroporto de Hilo e voltaria no mesmo dia, então não ficaria hospedado em nenhum deles. Mandei um email para um dos hoteis próximos ao aeroporto e que dá pra ir a pé até lá perguntando se é comum os turistas esperarem pela van na frente do hotel mesmo sem estarem hospedados.

        Talvez seja mais fácil contatá-los por telefone, porque por email não tá rolando… Mas vou continuar tentando.

        Obrigado pelas informações!
        Beijos!

        1. Avatar

          Ah, essa ideai do pacote é interessante, imagino que seja possível pegar sem estar hospedado sim, é o que acontece na maioria dos lugares, né. Depois me conta se conseguiu!

          E acho mesmo que pode ser melhor falar por telefone, acho que nem pega internet direito lá no campo de lava onde o Jeff estava morando! hehe

          Beijos!

  3. Avatar

    Olá Thaís, tudo bem?
    Estou indo para lá no final do mes,seu texto super ajudou com as dicas. Queria perguntar duas coisa.
    Primeiro: serâ que vale a pena fazer o passeio para ver o nascer do sol no mirante acima das nuvens e depois descer para essa trilha da lava? Assim nao correria o risco de sair tao escuro de la e demorar mais?! Voces fizeram esse passeio de ver o nascer do sol acima das nuvens?

    Segundo: queria saber como fizeram com as malas? Pegamos um hotel em Oahu que nao quer aceitar ficar com nossas malas por 4 dias, entao estamos com super receio das taxas. Tem dica sobre isso, talvez algum armario alugado ou deposito?

    Obrigada 🙂

  4. Avatar

    Oiii Thais!! Tudo bem?
    Como vc achou o Jeffrey?
    Rssss

    Fui com a cara dele, estamos indo pra lá amanhã! Pode me passar o contato dele, por gentileza?!

    Mahalo! !!
    Qualquer coisa meu whats é 5544 98130856!

    Abraços! !

    1. Avatar

      Oi, Milena!

      O contato que tenho do Jeffrey é esse da agência dele, Big Lava Tour, que está no post. Tem o site e o telefone!

      Boa viagem, aproveita bastante!

      Bjs

  5. […] -> Big Island, Havaí: Cutucando a lava do vulcão Kilauea (Viajadora) […]

  6. […] das principais atrações do Hawaii Volcanoes National Park é a possibilidade de chegar tão perto do Kilauea em erupção, que é possível cutucar a lava […]

  7. Avatar

    Olá, parabéns pelo blog!!
    Estou para big island 27 de setembro, e gostaria de uma dica para alugar um 4×4, pois pretendo ir ir à green sand beach e Mauna Kea… pode me dar uma dica de onde eu consigo alugar com bons preços? (ouvi dizer que nem todas as locadores permitem que se suba com o carro deles no topo do Mauna Kea).

    Grato – Ruan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *