Como ir à praia no verão do Rio de Janeiro sem gastar muito

Como ir à praia no verão do Rio de Janeiro sem gastar muito

O verão está a mil no Rio de Janeiro e, junto com as temperaturas, subiram os preços dos serviços e produtos nas praias cariocas. Com barraqueiros cobrando 6 reais por um coco, 10 por um guarda-sol e 20 por um misto-quente, é difícil não se revoltar com como ficou caro fazer o que antes era considerado o “programa mais democrático da cidade”. Mas nós, que não somos bobos nem rasgamos dinheiro, não precisamos deixar de dar uma pinta em Ipanema só por causa disso. Fazer farofa levar cooler/isopor para a praia nunca foi tão chique em ano de Copa do Mundo e preços extorsivos na Cidade Maravilhosa.

Aí vão algumas dicas para fugir dos preços altos sem abrir mão do conforto:

Guarda-sol e cadeiras

Se estiver em hotéis ou albergues, pergunte pelas cadeiras: muitos deles emprestam aos hóspedes.

Agora, uma coisa que pouca gente repara: algumas empresas têm postos na praia para emprestar cadeiras e barracas aos clientes. Eu adoro as do Mastercard, que oferecem um par de cadeiras e um guarda-sol para quem tiver cartão Platinum ou Black, e estão espalhadas desde Copacabana até o Leblon. Uso sempre e são melhores que as dos barraqueiros, mas tem que chegar cedo (a partir das 9h) porque acabam rápido. Aqui você pode ver onde ficam os postos espalhados ao longo da praia, é só apresentar o cartão para pegar.

O jornal O Globo também fornece um par de cadeiras e guarda-sol para os assinantes, num esquema parecido. Para mais informações, acesse a página do Clube do Assinante.

Outra opção são os quiosques da Nextel, presentes na praia de Copacabana, Ipanema, Leblon e Barra da Tijuca. Além de internet wi-fi grátis para todos, lá os clientes da empresa também podem pegar emprestadas várias coisas legais, como pranchas de stand-up paddle, patins, apoiadores de cabeça, skates e raquetes de frescobol, entre outros benefícios listados aqui.

A barraca do Mastercard e a do Globo

A barraca do Mastercard e a do Globo, respectivamente. Ficam espalhadas em vários pontos da praia, mas como são discretas, é preciso prestar atenção para não passar direto.

Evite comprar produtos na praia

Eu sei que às vezes a gente vê uma canga linda e dá aquela vontade de comprar, mas saiba que você vai pagar bem mais por qualquer item na praia. Se estiver no Rio e quiser canga, biquíni, bolsa de praia e coisas do tipo, um bom lugar para comprar em Copacabana é na Rua Santa Clara, no número 33. O shopping vertical, conhecido como Santa Clara 33, é cheio de lojas de roupas de praia e ginástica, mais baratas do que a média da zona sul. Sempre compro meus biquínis e roupas de malhar lá! No 3º andar, especificamente, tem a loja Bali Blue, que vende todos os tipos de canga imagináveis. Você vai achar aquela que viu venderem na praia, só que mais barata.

Mas se não aguentar e resolver comprar na praia, a regra é pechinchar, pedir um descontinho mesmo, afinal, perguntar não ofende e os vendedores costumam aceitar.

Como levar e refrigerar comidas e bebidas

O melhor jeito é usar uma daquelas bolsas térmicas com alças, mais práticas do que coolers e isopores. Ganhei uma de uma marca de cerveja e levo para todos os lugares. Outra opção legal são bolsas com um forro térmico metalizado, perfeitas para quem vai sozinho à praia, porque cabem tudo que uma pessoa precisa e parecem bolsas normais. A minha comprei em uma viagem, mas já vi algumas lojas cariocas vendendo.

Na hora de refrigerar, você pode comprar um saco de gelo no mercado ou, melhor ainda, fazer em casa. Gosto de encher sacos de sacolé com água da torneira, que aí não fazem aquela molhação toda na bolsa quando derretem e ainda podem ser reaproveitados depois. Funcionam muito bem e os saquinhos  são baratos.

Viajadora: Bolsa térmica discreta

Bolsa térmica discreta por fora e metalizada por dentro. Mantém tudo refrigerado e é muito prática.

Viajadora: Bolsa térmica para ir à praia no Rio de Janeiro

O outro modelo de bolsa térmica, mais popular. Esse tipo é o mais prático, cabe muita coisa e vende em qualquer lugar.

O que comer na praia

É só pisar na areia que já fico com muita fome, então preparo uma boa lancheira. Entre as coisas que gosto de levar estão:

  • Sanduíche de pão francês com queijo prato e mortadela: O melhor custo benefício e o mais gostoso (não o mais saudável, claro). É aquele que vão te sacanear quando te virem fazendo, mas que todo mundo vai querer um pedaço na hora da fome.
  • Sanduíches naturais: pão de forma integral com atum, frango ou carne assada desfiada; acompanhado de alface, tomate, cenoura ralada e qualquer outro vegetal que você curtir. Minha nutricionista, Orion Araújo, indicou uma receita ótima: pão de aipim (vende em lojas de produtos naturais) com pasta feita de atum, azeite extra virgem, alface picado e cenoura ralada – é bom principalmente porque não dilata a barriga na praia, já que o pão de aipim não tem glúten, e a cenoura ajuda a reforçar o bronzeado.
  • Frutas: abacaxi em rodelas e manga ou tangerina já descascada são minhas favoritas, mas é mais prático levar maçã, banana e pêra.
  • Frutas secas: ameixa, damasco, passas…
  • Frutas oleaginosas: castanhas, nozes, pistache…
  • Barrinhas: de proteína, de cereais, de frutas oleaginosas ou de grãos… vai pelo gosto de cada um, eu prefiro as de proteína. É bom lembrar que essas barrinhas não são necessariamente light, algumas têm muita gordura e calorias.
  • Biscoitos em geral: adoro biscoito Maisena e integrais (como aqueles cookies muito gostosos de castanha-do-pará). Mas isso vale para qualquer biscoito, inclusive o biscoito Globo, ícone do Rio: na praia ele custa R$4, na Casa do Biscoito ou outro lugar parecido, você acha por R$1 ou até menos.

É importante lembrar que os alimentos devem estar resfriados, na bolsa térmica ou cooler, porque as altas temperaturas podem estragá-los.

Se resolver comer na praia mesmo assim, os alimentos mais em conta são o milho verde, o sacolé (R$4 por um bem farto, acho digno) e a esfiha (R$5, mas muito boa. Na loja é R$ 3,80, então não é tão caro, considerando que o vendedor está carregando debaixo do sol e vestido de árabe). Fuja do queijo na brasa (caro e pequeno), dos picolés (bem mais caros na praia), do sanduíche natural (a maioria é bem ruim em Ipanema) e das empadas baratas que os ambulantes carregam em caixas e vendem por R$2, são muito gordurosas e ninguém sabe a procedência.

Casal com bolsa térmica na praia de Ipanema

Casal com bolsa térmica na praia de Ipanema… tinha de tudo ali dentro: água, sanduíche, fruta…

O que beber na praia

Nesse calor que está fazendo, é essencial se manter muito hidratado. Além de água, a nutricionista Orion indica levar água de coco (comprar no mercado sai mais barato que na praia) e sucos de frutas batidos com couve e cenoura. Eu gosto muito dos sucos de melancia e de maracujá, porque duram mais: o de laranja perde as propriedades meia hora depois de feito. Se estiver com preguiça de fazer, pode comprar em garrafinhas nos mercados por aqui, são bem gostosos e práticos.

Se o seu negócio for bebidas alcoólicas, sempre acho melhor levar destilados, porque cerveja deixa a gente empanturrada e barriguda. Já a vodka, você pode misturar com suco e fica uma delícia, super leve. Também tem um povo mais chique levando prosecco, tenho visto direto, acho luxo e ryqueza, mas ainda prefiro minha Kovak. haha

Só cuidado quando for beber álcool na praia, porque o sol potencializa os efeitos e você pode ficar bem ruim e ainda encher o saco de quem está em volta (além de se afogar e morrer).

Viajadora: Thais posando com a sua bolsa térmica

Fazendo a phyna com a bolsa térmica discreta na praia. Dentro, os sanduíches com o pão que sobrou do café da manhã do albergue! haha

Limpe tudo logo depois!

Não deixe nada na praia, leve seu lixo embora com você. E quando chegar em casa, tire logo o gelo do cooler e seque bem a bolsa térmica, porque se guardar molhada, estraga e fica um cheiro insuportável. O mesmo acontece com as garrafas térmicas e vasilhas de plástico, que pegam o cheiro/gosto do que ficou nelas por muito tempo.

Bom, é isso! E você, tem alguma outra dica de economia na praia? Divide com a gente!


-> Confira opções de hospedagem no Rio de Janeiro clicando aqui.


 

Leia também:

Comentários

4 comments

  1. Simone

    Bom dia!

    Achei boa sua materia, porem vc nao pode generalizar qdo por exemplo fala: ‘ do sanduíche natural (são todos péssimos em Ipanema)’ vc nao conhece o o SanduBinho! Muuuuuito bom! E fica em Ipanema!
    Pode procurá-lo no Posto 9. Duvido não gostar!

    1. Thaís Freitas
      Autor
      Thaís Freitas

      Oi, Simone! Que bom que gostou do post! Realmente, já provei boa parte dos sanduíches de Ipanema e não gostei de nenhum, mas não lembro de ter comido o SanduBinho, então não posso mesmo generalizar. hehe Vou seguir a sua dica no fim de semana pra ver se é bom mesmo! 😉

  2. Pingback: 50 dicas imbatíveis para economizar dinheiro para viajar | Viajadora

  3. Pingback: Réveillon em Copacabana: como sobreviver à maior festa do Brasil | Viajadora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>