10 coisas que mudaram em mim depois que vim morar no Canadá

10 coisas que mudaram em mim depois que vim morar no Canadá

Para quem nasceu e foi criado em um país como o Brasil, o processo de recomeçar a vida no Canadá envolve muito mais do que só guardar dinheiro e se programar direitinho. Você precisa aprender a conviver com outra cultura e se adaptar a uma situação de vida muito diferente da qual estava acostumado, e isso acaba mudando a gente de vários jeitos. Neste post listei os 10 principais aspectos que mudaram em mim depois que vim morar no Canadá, há quase três anos:

1. Passei a ser mais econômica

Eu nunca fui de gastar muito dinheiro, mas também nunca tinha chegado a me preocupar muito com ele no Brasil, porque tinha um trabalho com salário legal e não pagava aluguel. Chegamos no Canadá sem emprego, sem lugar pra morar e com dinheiro contado, e com isso precisei repensar toda a forma como a gente lidava com dinheiro, nossos gastos e o que fazer com cada dólar que entrava.

Viver no limite do orçamento faz você valorizar muito mais cada centavo, e aprender que, infelizmente, nem sempre dá para fazer o que a gente quer. Parece óbvio, mas eu sinto falta de ter um dinheirinho sobrando para simplesmente ir passar um fim de semana despreocupado em outra cidade, ou mesmo comer em um restaurante mais caro quando der aqueeela vontade (alô, steaks do The Keg!), coisas que eu podia fazer quando quisesse no Brasil. Agora, tudo precisa de muito mais planejamento e acontece com menos frequência, mas entendo que é normal, faz parte do (longo) processo de recomeço em um país novo, já me acostumei e sei que vai melhorar ao longo do tempo.

2. Aprendi a viver com menos espaço

Quando a gente muda pobrinho para outro país, o processo do desapego já começa na vinda, quando só dá para trazer duas malas se não quiser pagar excesso de bagagem. Além de ter deixado quase tudo que a gente tinha para trás, estou morando com Thiago e Chica num apartamento quarto e sala, sem lugar para guardar quase nada. Agora, mais do que nunca, preciso pensar várias vezes antes de comprar qualquer coisa, não só se preciso mesmo daquilo mas, principalmente, onde vou enfiar esse determinado objeto lá em casa. Isso sem falar no fato de que eu, que sempre fui profundamente antissocial e sempre prezei por ter meu canto (pelo menos um cômodo) para ficar sozinha, precisei ficar mais civilizada e calma para dividir um apartamento pequenininho com meu amor e com uma catiorínea safada que não faz a menor ideia do que é espaço pessoal. haha

Coisas-que-mudaram-em-mim-desde-que-vim-morar-no-Canada.Aprendi a viver com muito menos espaço.Viajadora

O apartamento é basicamente isso da foto e precisamos conviver nesse espacinho do melhor jeito possível!

3. Parei de passar o tempo todo com medo de ser assaltada

Eu fui assaltada exatamente sete vezes no Brasil (duas das vezes em um mesmo dia, inclusive). Vivia em um estado permanente de tensão quando morava no Rio, sempre prestando atenção em tudo e todos, pensando no que eu faria caso desse algum problema (assalto, tiroteio, arrastão… são tantas possibilidades), e sempre pensava mil vezes em como eu iria chegar ou ir embora de algum lugar e se seria seguro. Isso sem falar nas vezes em que eu simplesmente desistia e ficava em casa para não me estressar. Pois é, aqui no Canadá isso mudou completamente, e foi a melhor coisa de ter vindo morar aqui pra mim.

Vancouver é cheia de doido e tem bastante homeless, mas eu me sinto segura o tempo inteiro. A gente vai e volta a pé dos lugares a qualquer hora, eu vou pra todo lugar que quero sozinha a pé ou de transporte público, faço trilha no mato, o que for, sem medo nenhum de assalto ou qualquer perigo. Essa sensação de liberdade e segurança é maravilhosa, e por si só já vale a pena todo o esforço da mudança pra cá!

(E claro, antes que comentem, dizem que tem assalto por aqui também, e um ou outro ataque de maníaco. Eu nunca vi nem conheço ninguém que passou por isso, e obviamente continuo atenta aos arredores quando saio na rua, porque o Canadá também não é o Jardim do Édem, e isso está no sangue, né… se você for carioca e der bobeira a ponto de ser assaltado no Canadá, tenha certeza de que algo está errado! haha)

4. Aprendi a ser mais humilde na marra

Como contei neste post sobre como deixei minha vida de empresária no Brasil para vir morar no Canadá, eu trabalhei por vários anos na empresa que fundei e depois deixei tudo para trás para começar do zero aqui em Vancouver.

Quando você é novo em um país, sem referências, sem experiência local e sem ser nativo na língua, não dá muito para esperar logo um emprego no mesmo nível do que você tinha no Brasil: geralmente é preciso dar uns passos para trás para depois voltar a avançar na carreira. Arranjar um trabalho na minha área (comunicação/marketing) até que foi fácil por causa dos meus estudos e experiência no Brasil, mas acabei indo para trás na minha carreira. Eu já esperava por isso, mas na prática é bem mais díficil: eu hoje tenho quase o mesmo cargo das pessoas que gerenciava na minha empresa, e preciso da aprovação do meu chefe e de mais umas três pessoas antes de tomar qualquer decisão importante, além de ter que fazer um monte de coisa que eu não concordo e sinto que não é a melhor opção só porque eles decidiram. Bom, eu nunca tinha tido chefe direito antes, acho que é assim que funciona, né?

Tem sido um processo muito enriquecedor assumir um outro papel dessa maneira, e tenho aprendido muuuito com isso (inclusive a não me preocupar tanto com os resultados), mas é bem cansativo e frustrante às vezes. E isso sem falar que, no caso de quem, como eu, trabalha escrevendo, trabalhar em inglês com uma equipe de comunicação canadense nativa é uma lição de humildade diária, porque não importa o quão fluente eu seja ou quão rico seja o meu vocabulário, eu ainda cometo vários erros e levo muito mais tempo para escrever um texto do que eles, simplesmente porque essa não é minha língua nativa e preciso me esforçar diariamente para melhorar na esperança de um dia escrever tão bem quanto um profissional local. Se isso tudo não faz a gente ser mais humilde, eu não sei o que faz.

Coisa que mudaram em mim quando comecei a trabalhar no Canadá.Viajadora.Vancouver

Levei um bom tempo para me adaptar no trabalho, e precisei passar a fazer um monte de coisa de um jeito diferente do que eu estava acostumada

5. Minhas definições de certo e errado foram atualizadas

 É fácil quando a gente mora no Brasil e vê tanta coisa errada acontecendo o tempo inteiro, passar a relevar e até deixar de perceber as coisas erradas. “Tomar uns drinks e depois checar o Twitter da Lei Seca antes de dirigir, quem nunca?” A corrupção está entranhada na cultura brasileira e a gente acaba muitas vezes nem percebendo mais como tudo está tão errado e como é absurda a maneira como as pessoas não seguem as regras e sempre tentam dar um jeitinho para se dar bem. Pois é, quando você se afasta dessa realidade e passa a viver em um lugar onde todo mundo segue as regras (e por isso as coisas funcionam bem), você fica mais certinho e passa a seguir tudo também, faz parte do processo de adaptação no país mesmo.

Isso aconteceu comigo e, para ser bem sincera, fiquei bem mais intolerante para aguentar os jeitinhos e safadezas típicos dos brasileiros, é um negócio que me tira do sério agora. Acho que acontece com quase todo mundo que se adapta bem à vida no Canadá, inclusive… é só ver os posts perguntando sobre a possibilidade de trabalho ilegal no país nos grupos de brasileiros do Facebook e a quantidade de pessoas revoltadas criticando esse tipo de pergunta. Você passa a pensar mais na coletividade e ver o quanto esse tipo de atitude é nociva para a comunidade como um todo, uma coisa que a gente não tinha o hábito de fazer no Brasil, infelizmente, e que eu valorizo muito aqui.

6. Passei a viver (e aproveitar) as estações do ano

O Rio só tem duas estações do ano, “desesperadoramente quente” e “bem quente”, e quando chove e/ou a temperatura cai uns 3oC, todo mundo fica em casa de casaco e com preguiça de sair. Eu também fazia isso: quando não estava na praia ou fazendo alguma coisa ensolarada ao ar livre, estava em casa lerdando. Isso porque não tinha problema perder um dia de praia, no dia seguinte tinha mais, e no outro, e no outro, e no outro…

Quando você mora em um lugar com as estações do ano definidas, principalmente um lugar chuvoso que nem Vancouver, passa a entender que os dias de sol são limitados, e a aproveitar muito mais o calor, porque sabe que já já o outono chega e aí só ano que vem. E aprende a se divertir nos dias de chuva e de neve também, a entender a graça de cada estação, e se programar para curtir o que cada uma tem de bom para oferecer, seja fazer snowboard no inverno, sentar num parque e ver as folhas caírem no outono, tomar banho de lago no verão ou reabrir a temporada de trilhas na primavera. Aqui eu passei a curtir sair na chuva também, a ver a graça do frio, a aproveitar muito mais o calor… passei a ter uma reação mais intensa e apreciativa com as mudanças de estação, e isso é uma das coisas que eu mais gosto no Canadá.

Coisas que mudaram em mim desde que vim morar no Canada.Aprendi a me divertir em todas as estaçoes do ano.Viajadora.Vancouver

Um frio danado, mas a catiora precisa sair pra brincar… e a gente acaba se divertindo também!

7. Passei a me alimentar de um jeito diferente

Em Vancouver só existem dois restaurantes brasileiros: a churrascaria Rio, que é intragável, e o Buteco Brasil, que é gostoso mas fica um pouco longe da gente. Em downtown, onde trabalho, não tem nada que se assemelhe a um restaurante brasileiro (se eu estiver enganada me avisem, por favor!), então se eu quiser comer comida parecida com a brasileira só se eu cozinhar mesmo. Como nem sempre tenho saco tempo pra isso, frequentemente acabo comendo na rua, e como não existe a opção de comer só um grelhado com arroz, feijão e salada aqui, a solução acaba sendo comida chinesa, japonesa, grega, mexicana, salada cheia de molho, e por aí vai. Enquanto no Rio isso era comida para dias especiais, aqui virou a comida do dia a dia, e aí é bem mais difícil me controlar e seguir uma alimentação saudável e regrada como eu tinha no Brasil, afinal, são comidas bem mais gordurosas e pesadas.

Além disso, muitos dos ingredientes comuns no Brasil são mais difíceis de achar por aqui (você tem que ir a lugares específicos pra encontrar) ou são bem mais caros (como o açaí, minha paixão). Até hoje tenho abstinência de coisas de maracujá (da fruta mesmo, não polpa), mas não tem muito que eu possa fazer sobre isso. Cedo ou tarde, quem mora no Canadá acaba tendo que aprender a se adaptar à comida da região mesmo, inclusive as frutas e legumes comuns daqui (alguns que eu nunca tinha nem visto antes), e detalhes como o fato de o corte das carnes ser diferente do brasileiro. Isso tudo faz parte do processo de adaptação também, e aconteceu comigo.

Coisas que mudaram em mim desde que vim morar no Canada.A Alimentação muida muito no Canadá.Viajadora

Minha salada favorita em Vancouver, do Railtown Cafe… é salada, mas ainda assim é pesada e cheia de molho, socorro!

8. Tive que me acostumar a não ter mais carro

Apesar de ter usado transporte público a maior parte do tempo no Brasil, eu adorava passear de carro nas horas vagas, ir no banco do carona olhando a paisagem e mexendo no rádio. A gente gostava de ir conhecer restaurantes e praias mais distantes ou simplesmente passear, além de ir de carro em distâncias maiores onde o transporte público não fosse prático.

Aqui, embora não seja caro comprar um carro usado, nós optamos por não comprar nos nossos primeiros anos, porque moramos em downtown perto de tudo e qualquer economia é válida.  E estamos vivendo bem assim, mas confesso que o carro ainda faz muita falta, porque mesmo com opção de transporte público ou alugar carro, é complicado ir nas montanhas e lugares mais distantes, por isso pretendemos comprar um logo logo.

Coisas que mudaram em mim desde que vim morar no Canadá.Tive que me acostumar a viver sem carro.Viajadora

Andar de carro agora é tão raro, que quando acontece a gente tira até foto pra lembrar depois! hahaha

9. Passei a dar mais valor para o Brasil

A vida no Canadá é muito boa: a gente tem tranquilidade, as coisas são mais acessíveis, temos segurança em todo lugar, as paisagens são lindas, as pessoas são educadas e temos muito mais possibilidades de emprego com salários dignos. Não pretendo voltar a morar no Brasil e é aqui que quero criar meus filhos. Não sou ingrata, gosto muito daqui.

Maaaaas…. tendo dito tudo isso de bom do Canadá, eu tenho que dizer que morro de saudade da minha terrinha todos os dias, e aqui passei a dar muito mais valor às coisas boas do Brasil que me passavam despercebidas quando eu morava lá. Não só a comida deliciosa, barata e saudável, mas também pequenos detalhes como o fato de o garçom não ficar tentando te enfiar a sobremesa e depois a conta enquanto você ainda está comendo o prato principal como os canadenses fazem pra você ir embora logo (e eu tenho um óóóódio disso!), e as pessoas se cumprimentarem e falarem bom dia umas para as outras.

Acima de tudo, sinto muita, mas muita falta da alegria, da simpatia e do senso de humor do brasileiro, tudo muito diferente dos canadenses. Acho que pelo fato de a vida no Brasil ser tão mais difícil, a gente aprendeu a ser mais resiliente e a ver as coisas com mais humor para poder sobreviver, um senso de humor debochado e autodepreciativo completamente diferente do canadense.  Além disso, os brasileiros, ao meu ver, são muito mais simpáticos, amigáveis e alegres do que os canadenses, e eu sinto uma falta absurda dessa alegria e do calor humano que não vejo nos nativos daqui (que têm suas qualidades, claro, mas definitivamente não essas). Mas é aquela coisa, né, você perde em umas coisas para ganhar em outras, como tudo na vida, e aí passa a valorizar muito mais o que não ligou antes.

Coisas que mudaram em mim desde que vim morar no Canadá.Passei a dar muito mais valor para as coisas boas do Brasil.Viajadora

O Canadá é muito bom, mas o Brasil também tem coisas maravilhosas que eu nunca vou ter aqui, como as praias cristalinas de Arraial do Cabo e os meus amigos de infância. Essa foto é de abril de 2017, na primeira vez que voltei ao Brasil, e passei a ver tudo com outros olhos

10. Ficou fácil largar tudo e mudar de novo

O processo de deixar o meu país, minha casa, minha família e meus amigos no Brasil e me adaptar aqui foi bem difícil, muito mais do que eu imaginava. Agora, quase três anos depois, já me sinto em casa por aqui, mas apesar de gostar muito de Vancouver, não tenho laços afetivos de uma vida inteira com pessoas e lugares como tinha no Brasil, então sei que se precisar pegar tudo e mudar de cidade ou de país de novo, vai ser bem mais fácil do que da primeira vez. Acredito que quando a gente corta as raízes com a terra mãe, a gente acaba ficando mais cascudo, forte e livre para ir para qualquer lugar e fazer qualquer coisa do que antes. O começo é dolorido, mas depois vem uma ótima sensação de mobilidade e de liberdade, e eu adoro disso!

Coisas que mudaram em mim desde que vim morar no Canadá.Ficou fácil largar tudo e mudar de novo.Viajadora

Eu e Thiago no aeroporto no dia da nossa mudança para o Canadá, em 31 de dezembro de 2014. Foi tããão dolorido deixar o Rio, mas agora esse processo vai ser bem mais fácil daqui pra frente

***

E você que também mora no Canadá, sentiu mudanças como essas acontecendo com você também? Alguma outra coisa que eu não listei? Conta aqui nos comentários, vou adorar saber! 😉


Confira outros posts sobre morar e estudar no Canadá:

Estudo no Canadá: Por quê indicamos a Nexus Intercâmbio

Será que morar no Canadá é pra você?

Como é fazer o landing como residente permanente em Point Roberts, BC

Emprego no Canadá: Como conseguir um na sua área de estudos

10 coisas (muito) boas de se morar em Vancouver

Quanto custa morar em Vancouver para um casal sem filhos

Como é voar Air Canada e passar pela imigração em Toronto

Marketing Management na Langara College: Primeiro mês de aula e minhas impressões

Checklist: O que resolver no Brasil antes de ir morar fora

Passo a passo para fazer college no Canadá: Como se matricular e tirar o visto de estudante

Pós-graduação na Langara College: Concluí meu curso no Canadá, e agora?

31 conselhos e dicas para quem vai estudar na Langara College

Dica para entrar no mercado de trabalho no Canada: Cursos de Continuing Studies da UBC

Estudar em Vancouver: O que eu achei do curso de continuing studies da UBC

Leia também:

Comentários

5 comments

  1. Cecilia

    Thaís… adorei seu texto! Estou há quase 9 meses aqui em Kelowna! Vim com o marido e dois filhos, uma menina de 8 anos e um menino de 5. A mudança é drástica! Sinto falta da minha rotina de trabalho, do dia a dia em si, dos finais de semana em família! Uma das coisas que sinto muito a falta é de ter o apoio da família, de ter dias que posso sair só com o meu marido! De ter uma pessoa em casa que me ajuda, cuida da casa, da nossa alimentação, ajuda com as crianças! Hoje aprecio e vejo com outros olhos as mães e mulheres daqui, que dão conta de tudo! Cozinham, fazem lanche e almoçonpara o dia seguinte para todos da família, arrumam a casa, trabalham fora e ainda têm tempo para as crianças! São realmente supermulheres! Vejo o quanto minha vida era mais fácil no Brasil! Mas volto àquilo que você citou…. a sensação de segurança e as oportunidades para nossos filhos…. não têm preço! Viemos principalmente buscando um futuro melhor para nossas crianças!!! Esperamos podermos chegar aos 3 anos aqui mais adaptados e com uma rotina mais bem definida!!! Enfim… tudo de melhor pra você!😘

  2. Giovanna

    Oi Thais! Adorei seu post! Queria agradecer pelo conteúdo no blog. Li um dos seus posts sobre Vancouver e foi um dos que mais me deu indicações que seria o local certo para mim e hoje tô aqui em Van.

    Parabéns pelo blog e boa sorte nas viagens sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>